O que são Escolas Literárias?


Em nosso artigo sobre “O que é Literatura?” nós discutimos o fato de que a Literatura envolve o objeto social, na medida em que ela necessita ser desenvolvida e, eventualmente, lida num processo que permeia o diálogo entre os indivíduos inseridos numa determinada interação social. A Literatura está desse modo, condicionada a um processo de comunicação.

Assim, “a obra literária oferece uma oportunidade de o leitor se envolver numa experiência de reconstrução dos acontecimentos vividos pelas personagens.” (SILVA, citando Rosenblatt (In: JACOBUS, 1996: 141)). É claro que essas vivências das personagens estão impregnadas de elementos que permeiam o contexto histórico, social e ideológico no qual foram produzidos.

Por isso, quando estudamos a Literatura, consideramos um estudo dividido em Escolas Literárias, ou seja, um estudo realizado por meio de acontecimentos históricos de ruptura e de ressignificação literária e artística, tais escolas acompanham uma linearidade temporal, que apresentaram as condições para uma determinada produção.

As escolas literárias consideram o estudo da arte por meio da palavra, por meio das produções escritas, tais manifestações literárias possuem características específicas, assim como demais manifestações artísticas produzidas no mesmo período.

O estudo da literatura pode ser conduzido de diversas outras formas, centrando-se nos termos específicos de determinada obra, mas é pelo estudo das escolas literárias, que podemos ter acesso a informações que são externas e anteriores àquela produção.

Tendo em vista nossa história, quando falamos de escolas literárias da Literatura Brasileira, nós temos uma divisão em eras; a “era colonial” e a “era nacional”.

A “era colonial” diz respeito às produções artísticas que foram produzidas por portugueses tendo como temática/cenário/interesse o nosso país, ou por obras e autores que sofreram influência direta de Portugal. Pertencem a esta “era” as seguintes escolas literárias: Quinhentismo, Barroco e Arcadismo.

A “era nacional”, por sua vez, representa a autonomia da produção brasileira. Essa “era” é marcada por inspirações e influências direta de outros países da cultura ocidental e da produção literária europeia. Mas, nesse período havia uma preocupação por parte dos escritores em criar uma expressão própria que retratasse as características culturais, sociais e linguísticas de nosso país. Pertencem a “era colonial” as seguintes escolas literárias: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo, Simbolismo e Modernismo.

Ao analisar uma escola literária, são levados em consideração os contextos históricos, as principais obras e os principais autores, assim como; os estilos de produção literária. Estudar a literatura é vislumbrar a nossa história e a nossa arte!

Referências:

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 36ª ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos? Companhia das letras, 1994.~

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. 6ª ed. Belo Horizonte:

Itatiaia, 1981, v.I.

SILVA, Ivanda Maria Martins. Literatura em sala de aula: da teoria literária à prática escolar.  In: Anais do Evento PG Letras 30 Anos Vol. I, 2003.

 

Até breve!

Jessica Marquês.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *