A Bela e a Fera: o conto original

Este conto foi publicado há 277 anos pela escritora francesa, Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve, no livro intitulado “La Jeune americaine” ou “Les contes Marins”. Nele é possível encontrarmos uma narrativa fluída e recheada de fantasias conectando as críticas que a autora pretendia evidenciar.

Eis um breve resumo do conto La Belle e la Bête

O Pai de Bela era um rico comerciante da ilha Bem-aventurada de um país bem distante, mas ele veio à falência depois que um incêndio consumiu a sua casa com todos os seus títulos bancários, dinheiro, ouro e mercadoria. Além disso, as embarcações que ele tinha posse sofreram naufrágio piorando a situação financeira da família.

Entregue à miséria, ele se viu sem o amparo dos amigos e precisou sair da cidade juntamente com seus 12 filhos solteiros, seis mulheres e seis homens. Eles foram viver em uma casa de campo a qual no passado, ele usava para descansar.

Depois de dois anos, ele recebeu a notícia de que uma de suas embarcações fora resgatada. O homem, então retornou à cidade na esperança de recuperar a antiga vida. Antes de sair, as demais filhas lhe pediram presentes luxuosos e caríssimos, a Bela, porém, não pediu nada, até que depois da insistência do Pai ela resolveu pedir uma rosa, pois no lugar onde eles viviam essa planta não crescia.

Este homem então regressa à cidade, mas não consegue reaver as mercadorias ou o navio e enquanto volta desolado para a cidade do campo, acompanhado de seu cavalo enfrenta uma tremenda tempestade de neve, quando então avista um lindo castelo, e decide procurar abrigo naquele local.

CRANE, 2016.

Quando ele lá chega, não consegue falar com ninguém, mas acaba por ficar por ali enquanto o tempo lá fora se acalma. Assim que acorda é recebido com um delicioso baquete, mas ainda não consegue ver ou falar com nenhum humano, pouco antes de ir embora, ela percebe uma linda roseira no jardim do castelo, já que ele não conseguira reaver a sua riqueza, poderia sanar o desejo de pelo menos uma de suas filhas.

Assim que ele encosta-se à rosa, “Uma fera medonha enrolou em seu pescoço uma espécie de tromba como a de um elefante e, como uma voz assustadora – Quem o autorizou a colher minhas rosas?” (VILLENEUVE, 2016) o homem pede desculpas, mas já era tarde demais, ele tinha agora uma dívida com aquele monstro. A Fera pergunta se ele não ficou satisfeito com o tratamento VIP que recebeu no castelo, enquanto se abrigava das adversidades do tempo… E faz um acordo com ele, dizendo que a sua liberdade poderá ser trocada por uma de suas filhas que aceitem substituí-lo ficando em seu lugar.  Mas a Fera ressalta que ela não deve vir forçada.

CRANE, 2016.

O homem teria um mês para decidir se retornaria ao Castelo para cumprir a sua perna com o crime que cometera, ou se submeteria uma de suas filhas a tal castigo. Quando ele retorna ao seu lar, ele relata o que aconteceu, e Bela se dispõe a ocupar o seu lugar, o pai nega que ela faça tal sacrifício, mas ela e os demais membros daquele lar o convence do contrário.

CRANE, 2016.

Quando se completou o mês, os cavalos da Fera foram buscar o velho e sua filha, assim que eles chegaram ao castelo, a Fera os recebeu e deixou que o Pai de Bela levasse uma quantidade de riqueza para melhorar a condição de sua família.

A Bela passa a viver no castelo atormentada pelo medo de que destino levaria a sua vida, mas a Fera aproxima-se dela durante poucos minutos do dia, apenas durante o jantar. No tempo livre, Bela vislumbra a beleza do local, é acompanhada por seres animalescos como macacos, patos e papagaios que fazem todas as suas vontades e cuidam dela como cuidariam a uma rainha, além disso, por meio de algumas janelas, Bela tem acesso a concertos e apresentações teatrais da França, da Itália ou de outros lugares do mundo.

CRANE, 2016.

Durante todas as noites do castelo, Bela é avassalada por um sonho que se parece muito real, nele ela se encontra com um príncipe belo e gentil, com o tempo ela se apaixona por esta figura onírica.A Fera amedronta a Bela quando começa a questioná-la se ela aceitaria deitar-se com ele. Ela, educadamente, nega. Ele então sai da sala de jantar e apenas lhe diz boa noite… Isso passa a acontecer em todas as noites, então ele sempre a questiona se poderiam ir para o mesmo leito e ela sempre nega, apesar do medo do que ocasionalmente aconteceria a ela se continuasse a negar.

CRANE, 2016.

Apesar das diversas atividades e distrações que Bela tinha à sua disposição durante o dia, ela se sente entediada e fica preocupada com sua família. Ela pede então a Fera, para que ela a deixe ir ter com a sua família, até para que eles passassem a saber como ela estava.

Bela foi e levou diversos produtos de valor, a pedido da Fera, para presentear a sua família, depois dos três meses que passou longe da Fera, quando ela regressa, a Fera estava quase sucumbindo. Mas o Pai da Bela a havia aconselhado a aceitar o pedido da Fera de se deitar com ele. Quando ela regressão ao castelo, eles se casam, fazem os votos ali, apenas os dois e ela permite que ele a despose. Assim que eles chegam ao quarto ele simplesmente dorme, um sono bem profundo.

CRANE, 2016.

Quando ela acorda, percebe que uma carruagem real se aproxima do castelo, chegava ali a Fada que ajudara a Fera a se livrar de sua maldição e a Rainha, mãe da Fera. Bela então conhece a verdadeira forma da Fera, e também a jornada a qual a Fera foi incumbida a cumprir.

A Fera, agora na forma de Príncipe, explica o que aconteceu para ter o seu destino avassalado por tal maldição. Ele nos relata que a sua mãe, Rainha, depois da morte de seu pai, precisou administrar uma guerra pessoalmente. Por isso, uma Fada ficou encarregada de cuidar do príncipe, enquanto ela estivesse fora.

No início, a Fada cuidou muito bem da criança, ela até a chamava de mãe, mas depois de retornar de uma viagem, a Fada havia mudado o seu comportamento, passando a insistir que o Príncipe dormisse com ela.

Quando a Rainha retorna ao seu lar, a Fada continua a insistir que o Príncipe a desposasse. Tanto a Rainha quando o Príncipe nega veementemente. Então a Fada lança uma maldição sobre ele, transformando-o numa Fera. Ela golpeia o jovem e ele subitamente metamorfoseia-se numa horrenda criatura.

Ele então, lança a sua vingança dizendo: “ordeno que finja ser tão estúpido quanto medonho, e para que recupere a sua forma original ordeno que espere, sob tal aparência, que uma bela moça venha procurá-lo voluntariamente, mesmo persuadida de que você deve devorá-la. Ela também deve, após descobrir que sua vida não corre mais perigo, se apaixonar por você a ponto de lhe propor casamento. Até você encontrar essa pessoa rara, quero que seja um objeto de horror para si próprio e para todos aqueles que o virem.” (VILLENEUVE, 2016)

Essa Fada ainda ordena que a Rainha afaste-se de seu filho e não informe a ninguém que é a mãe de tal criatura. Após a Fada que lançou o feitiço horrendo sair, a Rainha pede ajuda a outra Fada. Essa Fada transforma todos os seres presentes no castelo em estátua, para que ninguém relatasse que a Fera era filha da rainha, estes seres ainda estavam nessa condição no castelo.

A Fera passou a viver sozinha naquele castelo e tudo o que aconteceu com a Bela fora arquitetado por esta segunda Fada que pretendia libertar a Fera. A Rainha, mãe da Fera, mesmo vislumbrando o seu filho liberto da maldição ainda se sente ofendida pele origem familiar da Bela, pois ela não pertencia uma família nobre (parece que a Rainha não aprendeu nada com tudo o que aconteceu!).

Nesse momento, um homem com porte real aproxima-se do castelo, ele era um Rei irmão da Rainha, mãe do Príncipe. Acontece que ele também era o pai biológico de Bela, fruto de um relacionamento proibido com uma Fada. Essa terceira Fada era irmã daquela que ajudou a Fera a se libertar da maldição, e estava presa por conta de seu crime com o humano. O Rei acreditava que tanto a esposa quanto a filha estavam mortas. A Bela rapidamente o recebe como pai.

O Rei também clama pela libertação de sua amada esposa-fada, depois de um eloquente debate, a Fada, tia de Bela, consegue que sua irmã tenha liberdade e autorização para viver com seu amado. A Bela e a  Fera se casam, suas cinco irmãs juntamente com seus maridos passam a viver na corte real, assim como o Pai que a criou e seus irmãos.

CRANE, 2016.

Referências:

BEAUMONT,Jeane Marie & VILLENEUVE, Gabrielle. A Bela e a Fera. SÃO PAULO:Zahar,2016.

CRANE, Walte e outros: ilustrações presentes no livro A Bela e a Fera. SÃO PAULO:Zahar,2016.

Google imagens.

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *